quarta-feira, 14 de junho de 2006

o grande gatsby

O meu pai sempre vestiu fatos.. desde que me lembro que vejo o meu pai chegar a casa depois de mais um dia de trabalho de fato e gravata. Fatos escuros, claros, de corte largo, corte curto, com colete, sem colete... enfim sempre de fato.
Existe uma loja no Porto só de fatos, fraques e smokings que se chama Gatsby. O meu pai chegou a comprar lá alguns. Só anos mais tarde vim a descobrir quem Gatsby foi. Do trágico romance de F. Scott Fitzgerald, Jay Gatsby era aquilo que me levou a escrever este post, um verdadeiro Gentleman.
Acho que nos dias que correm, o cavalheirismo está desvalorizado! Perdeu-se o culto do estilo e do toque de classe! Nos dias que correm, já quase nenhum homem se preocupa a oferecer o casaco se está a chover, abrir a porta para a senhora passar, ou mesmo algo tão simples como levar um ramo de flores à rapariga com quem vamos sair (e escusam de ser rosas, aposto que ela preferiria tulipas amarelas)! Há até quem goze com este tipo de atitude!
E depois, como é obvio, com isto perdem-se também outras coisas que estão intrinsecamente relacionadas! Como por exemplo, regras de conduta na corte de uma senhora! São ditas hoje em dia enormes barbaridades, sem a menor preocupação com a honra da senhora em questão! Não é Mourato? Para mim, o melhor em sair com uma miuda, é mesmo isso! É o "Pô-la num pedestal"... fazer as coisas de modo a que no fim, seja ela a querer qualquer coisa...
Eu sei que posso parecer antiquado... mas e daí qual é o mal em usar uma gravata de vez em quando?

14 comentários:

Diogo "Mini" Bento disse...

Tenho de concordar com a maior parte das coisas que dizes.
O estilo e o toque de classe por vezes fazem muita falta, mas tb se pode dever ao facto de hoje em dio termos valores, crenças e ambientes diferentes. o que leva a que o estilo e a classe muitas vezes seja outra.
A "corte" é uma arte e deve ser preservada com toda a sua dignidade e até o Mourato sabe disso quando quer. Mas é nesta parte do teu post que ja nao concordo 100% contuigo. Embora (quase) venere as mulheres e ache que elas são a mais bela criação da natureza (algumas, lol), não posso concordar com uma corte estilo secs XIV e afins, em que a menina está muito bem à janela e o homem passa tempos infindáveis tentando conquistar a mão dela, enquanto esta assiste, sorridente, a tudo, como se estiveese na primeira fila de uma peça de teatro.
Acho que a devemos pôr num pedestral sim, mas desde que ela n se esqueça que esse pedestral tem lugar para dois sexos. Até porque não só às mulheres isso agrada, os homens tambem gostam de ser seduzidos!
Um abraço

Pedro Miguel de Moura disse...

epah o "baixinho" teve bem! kem diria...? :P

marta disse...

hmm acho que esse cavalheirismo de que falas não está assim tão perdido quanto isso, embora hajam homens que digam coisas e tenham atitudes dentro daquele "coro" fácil que desagradam muito a grande parte das raparigas.. no entanto, talvez exageres um pouco na cena de por a rapariga num pedestal, como já foi dito acho que as coisas têm de ser de parte a parte, nós não podemos ficar só a assistir, há que haver um certo "esforço" do nosso lado para seduzir também, senão perde a piada toda ;)
nice post.. bju*

André disse...

Deve-se ser cavalheiro porque as mulheres merecem e não para "fazer as coisas de modo a que no fim, seja ela a querer qualquer coisa..." ...

guilherme alexandre disse...

muito obrigado pela notória defesa "das mulheres", como tu muito bem evidencias...
Como é obvio, não deverá ser esse o objectivo, mas pensei que isso estivesse implicito com o que tinha escrito antes dessa frase. é uma questão de atitude, uma forma de ser e agir. e não um método nas saídas. Lamento que tenha sido o que te saltou á vista.

Anónimo disse...

MULHERES É TESÃO PÁ!!

André disse...

Não foi uma questão do que me saltou à vista. Se calhar expressaste-te mal, não sei. Não se trata de defender, apenas vi uma descrição e no fim um objectivo e expressei a minha noção de cavalheirismo apenas. Cada um age como quer, logicamente. Quanto ao que estava implicito, acho que era óbvio o que querias dizer...

António Lobo disse...

Há casos e casos! Há homens broncos com o típico piropo foleiro, mas também há aqueles que ainda valorizam o cavalheirismo. Quanto a isso da gravata e do pedestal, prefiro encará-lo como uma metáfora. Ou seja, os tempos evoluem e, hoje em dia, as raparigas gostam de rapazes apresentáveis mas não necessariamente de fato e gravata e gostam de rapazes com sentido de humor apurado, gentis e atenciosos, mas nao necessariamente do tipo "cola". Conheço raparigas que gostam que os namorados lhes ofereçam uma aliança após dois meses de namoro e outras que encaram tal como uma escusada de exibição dos sentimentos para terceiros. Conheço aquelas que adorariam casamentos numa igreja a abarrotar de gente e vestidas de branco ou então numa praia paradisíaca e outras que só querem casar na capela da terra e fazer uma festa em casa para os familiares e amigos íntimos.
Por isso, na minha opinião, há actualmente um cariz mais espontâneo na dita "corte", com uma maior afirmação da vontade própria de ambos os sexos, que se tendem a situar num patamar de maior igualdade. De facto, a gravata e o pedestal parecem-me mais contingências das sociedades de outrora. A minha mãe ainda diz que "não há nada como um homem de fatinho", mas nem todas as raparigas de hoje pensam assim.
Quanto ao teu pai, não ponho em causa o seu gosto por fatos e muito menos o seu cavalheirismo, mas, dada a sua profissão, à semehança de muitos outros cidadãos, tem de o usar mesmo nos dias de hoje.
Abraço

Imortalidade disse...

É a primeira vez que aqui venho e não resisti.
Sem dúvida, o tema pode ser polémico. Para quem leu a obra, homens como Gatsby, já não existem e ainda bem.Apesar de pura ficção, hoje, se tal homem existisse, morreria de susto.
Contra mim falo, como representante e candidata a "Pô-la no pedestal", já nao há homens como Gatsby e provavelmente já não há mulheres como a Maria.
Li algures, um dia, que provavelmente, tais demonstrações de cavalheirismo teriam consequências nefastas para o ego de qualquer macho latino.
Já pensaste que te podes arriscar ao dar o casaco. Reações como: queres levar-me para a cama ou ao abrir a porta seres acusado de maxista, ou levar com as tulipas na cara porque acabaste de assassinar a mãe natureza.
Pode parecer exagerado mas o movimento feminista, teve as suas consequeências,
Não quero com isto parecer ingrata, eu sou do tempo , de grandes gestos. Lamento a sua ausência e louvo quem ainda resiste a tamanha forma humana que é o progresso

Anónimo disse...

acredito que existam rapazes assim, mas mostra-me onde porque eu não os encontro! será que tu és mesmo assim? ou, muito cavalheiro, e de repente...bronco? pela maneira como escreves acredito que realmente serias capaz de tirar o casaco para oferecer a uma menina... parabéns!! beijos

Pedro Miguel de Moura disse...

As gajas passam a vida a tentar tornar um gajo num maricas amansado que faça tudo o que elas querem e, quando o conseguem, largam-no! Podem dizer o que quiserem que isto não deixa de ser verdade...
A guerra dos sexos é isso mesmo: Guerra! Por isso é tão fixe e, claro que tem momentos muitos sossegados, inspiradores, pacíficos, transcendentes...mas o resto do tempo...lolol por isso caga para o que elas pensam e faz aquilo que tu queres fazer! Elas dão-nos muito mais valor quando o fazemos...

Aproveita que eu não duro sempre... :P

Marta Campos disse...

Adoro tulipas amarelas! Adoro o romance sou uma romântica, e pergunto-te se o romance é eterno? Se o amor não vai mais além da bela arte de cortejar e ser cortejado, ao longo dos tempos o homem foi moldado pela sociedade em que vive, passando a usar a cortesia em momentos mais delicados da vida, fases dificies de relacionamento, inicios, mas nunca durante toda a vida. Serás tu o meu Principe encantado disposto a contrariar tudo isto ?

guilherme alexandre disse...

Hehehe... Lamento muito, mas não serei o teu Principe encantado.. Já tenho alguém a quem oferecer tulipas amarelas... alguém que, aproveitando para responder à tua pergunta, cortejo constantemente.. acho que o amor também passa por isso.. relativamente a eternidade do romance.. acho que depende de cada um, mas acho muito bonito quando, apesar de estarem juntos há imensos anos, os olhos da minha mãe brilham com um elogio do meu pai;)
quanto a mim, sim, pretendo contrariar essa ideia da corte apenas no inicio.. acho que a pessoa em questão merece muitos mimos... sempre..:)

Marta Campos disse...

Ok... é pena.... Não se encontram todos os dias pessoas como tu... Assim com essa força para lutar estar ao lado de outra pessoa. Mas nem tudo são flores, relembro que as Tulipas apenas se dão bem no frio e não em climas tropicais. Assim como o Romance não floresce apenas dos momentos quentes de verão, mas tambem dos momentos de tensão, dos momentos bons e dos momentos maus. Espero que a pessoa de que falas receba mesmo esse teu encanto, algo unico nos dias de hoje. Pena não ser eu.... A receber Tulipas Amarelas num qualquer dia de Verão... Ps. Se puderes leva-a ao Palacio Topkapi em istambul na Turquia de certeza que ela vai adorar :P